E se não houvesse lagos?

13 de janeiro de 2015 by

Além de servirem para você andar no jet ski do seu primo rico ou para você pescar com o seu pai, para que mais servem os lagos? Os lagos estão presentes na história e no cotidiano de povos de todo o planeta. Eles fornecem alimentos, água, recreação e até inspiração religiosa ao ser humano. Eles também são fundamentais para a vida de um sem número de espécies de plantas, animais e até de seres que a gente nem vê – organismos microscópicos como algas e bactérias. Contudo, existe um aspecto sobre os lagos que pouca gente conhece e que iremos apresentar aqui por meio de um exercício mental. Os lagos são muito importantes para o balanço global de carbono, uma vez que eles podem lançar grandes quantidades de dióxido de carbono para a atmosfera e influenciar no clima do Planeta, como já discutimos no post anterior (“Rios e lagos e o efeito estufa: importantes fontes de gás carbônico para a atmosfera). Agora, vamos imaginar se todos os rios fluíssem direto para o mar, sem nenhum lago no caminho, o que mudaria no fluxo de matéria orgânica no planeta! Aceitam o exercício? Para simplificar a discussão, nós vamos tratar como “lago” qualquer acumulo d’água no continente, incluindo lagoas, represas, lagunas, etc.

Exercício Metal: Experimento de microcosmo - escala experimental = Planeta. (fonte: http://raphalss.files.wordpress.com/2012/05/planeta-terra.jpg)

Exercício Metal: Experimento de microcosmo – escala experimental = Planeta.
(fonte: http://raphalss.files.wordpress.com/2012/05/planeta-terra.jpg)

Alguns cientistas mostraram recentemente que, apesar de sua área superficial reduzida globalmente, os lagos podem emitir quase tanto gás carbônico quanto o que é sequestrado pelos oceanos (ver referências ao final). Isso é bastante surpreendente e revela um papel ignorado até pouco tempo atrás: o dos lagos como biorreatores capazes de processar grandes quantidades de matéria orgânica. Esses ambientes têm se mostrado tipicamente supersaturados, com concentrações de gás carbônico (CO2) maiores do que a atmosfera. A produção desse gás carbônico vem da fotodegradação (degradação de moléculas orgânicas na água pela ação da radiação solar) de compostos orgânicos e da respiração dos seres vivos presentes no lago, com participação importante dos microrganismos responsáveis pela decomposição da matéria orgânica (oxidação biológica da matéria orgânica pela qual o produto final é geralmente o CO2). Tal matéria orgânica pode ter sido formada no próprio lago, pela fixação de gás carbônico pelas algas e macrófitas (plantas aquáticas), mas uma parcela significativa dela tem origem terrestre, chegando aos lagos por meio dos rios ou por percolação após passarem por um processo de decomposição nos solos e nos próprios rios.

Parte da matéria orgânica que é acumulada nos lagos, proveniente da bacia hidrográfica, é considerada refratária, isto é, de difícil decomposição. Ela encontra nos lagos condições necessárias para a finalização do processo de decomposição. Isso acontece principalmente porque, diferentes dos rios, os lagos retêm a água por um período mais longo. É válido especular, portanto, que sem os lagos, essa matéria talvez não tivesse tempo suficiente para processamento e acabaria sendo transportada ao oceano, onde poderia ser parcialmente processada, aumentando a atividade metabólica nesse ecossistema, e, em sua maior parte, estocada no leito do oceano – como acontece com grande parte da matéria que entra nesse ambiente. O processamento que deixou de acontecer nos lagos e que não se completou no oceano, resultaria numa menor emissão de carbono para a atmosfera, que consequentemente teria uma menor quantidade desse elemento.

A alteração no ciclo global do carbono poderia gerar mudanças na temperatura do planeta e até na taxa de produção primária, embora seja difícil prever com exatidão essas mudanças. O fato é que nós abordamos um aspecto bem pontual do papel dos lagos, que tem sido pouco discutido. Mas, se levarmos em conta outros aspectos relevantes, como a contribuição dos lagos para o volume de água evaporada ou para a manutenção da biodiversidade, é inevitável a conclusão de que teríamos um planeta totalmente diferente. É claro que você não precisa se preocupar com um repentino desaparecimento dos lagos. Eles continuarão existindo e desempenhando seus papéis, inclusive seu relevante papel no ciclo do carbono, que é um processo natural, diferentemente, por exemplo, da emissão de carbono pela queima de combustíveis fósseis. Esta última é resultado das nossas atividades e seu controle está em nossas mãos. Como você deve saber, isso está afetando o clima do planeta. Ou será que não é bem assim? Há um post recente neste blog sobre esse tema polêmico. Leia aqui.

 

Nota: Esse é o último artigo da série produzida pelos alunos do curso de Limnologia (2014-2) do Programa de Pós-Gradação em Ecologia da UFRN.

 

Autores:

Pedro Junger (Mestrando; PPG Ecologia – UFRJ)

Barbara Precila Bezerra (Mestranda; PPG Ecologia – UFRN)

Dhalton Ventura (Doutorando; PPG Ecologia – UFRN – Especialista em Recursos Hídricos; Agência Nacional de Águas)

Colaborações:

Rafael de Carvalho (Mestrando; PPG Ecologia e Evolução – UFS)

Luana Rezende (Mestranda; PPG Ecologia e Evolução – UFS

Arthur Cruz (Mestrando; PPG Ecologia e Evolução – UFS)

André M. Amado (UFRN/PPG Ecologia – DOL)

Supervisão:

André M. Amado (UFRN/PPG Ecologia – DOL)

 

Referências:

Cole, J. J., Prairie, Y. T., Caraco, N. F., McDowell, W. H., Tranvik, L. J., Striegl, R. G., Duarte, C. M., Kortelainen, P., Downing, J. A., Middelburg, J. J. & Melack, J. 2007. Plumbing the Global Carbon Cycle: Integrating Inland Waters into the Terrestrial Carbon Budget. Ecosystems, 8: 862–870.

Marotta, H., Duarte, C. M., Sobek, S. & Enrich-Prast, A. 2009a. Large CO2 disequilibria in tropical lakes. Global Biogeochemistry Cycles, 23: GB4022.

Tranvik, L. J., Downing, J. A., Cotner, J. B., Loiselle, S. A., Striegl, R. G., Ballatore, T. J., Dillon, P., Finlay, K., Fortino, K., Knoll, L. B., Kortelainen, P. L., Kutser, T., Larsen, S., Laurion, I., Leech, D. M., McCallister, S. L., McKnight, D. M., Melack, J. M., Overholt, E., Porter, J. A., Prairie, Y., Renwick, W. H., Roland, F., Sherman, B. S., Schindler, D. W., Sobek, S., Tremblay, A., Vanni, M. J., Verschoor, A. M. Von Wachenfeldt, E. & Weyhenmeyer, G. A. 2009. Lakes and reservoirs as regulators of carbon cycling and climate. Limnology and Oceanography, 54(6): 2298–2314.

Anúncios

Os números de 2014: um balanço das atividades do blog Limnologia.

9 de janeiro de 2015 by

Que em 2015 possamos aumentar ainda mais nossa interação e debater e divulgar mais temas de interesse acadêmico. Esperamos que nos visitem mais vezes nesse novo ano!

Feliz 2015!

Aqui está um resumo:

Um bonde de São Francisco leva 60 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 1.100 vezes em 2014. Se fosse um bonde, eram precisas 18 viagens para as transportar.

Clique aqui para ver o relatório completo

Rios e lagos e o efeito estufa: importantes fontes de gás carbônico para a atmosfera.

14 de novembro de 2014 by

Muito tem sido falado nos meios de comunicação sobre como a poluição e a emissão de gases poluentes contribuem para o aquecimento global. As mudanças climáticas globais, decorrentes da intensificação do efeito estufa, têm o gás carbônico (CO2) como o principal vilão. A emissão do CO2 para a atmosfera é fortemente associada à poluição, sobretudo a resultante da queima de combustíveis fósseis através de grandes indústrias, carros, etc. (http://aquecimento-global-no-brasil.info/) Você sabia que rios e lagos também são importantes lançadores de CO2 para a atmosfera? Sabia ainda, que isso é um fenômeno natural? O Carbono (na forma de CO2), é um componente natural da atmosfera (menos de 1% de sua composição) (Fig. 1) e também está presente em ambientes aquáticos continentais e oceânicos, que participam ativamente do Ciclo do Carbono na biosfera (http://www.infoescola.com/biologia/ciclo-do-carbono/ e Cole, 2007).

Fig. 1 texto 6

Figura 1: Composição percentual de gases na atmosfera terrestre. Adaptado de: http://agfdag.wordpress.com/2009/03/10/quanto-co2-ha/. Acesso em 27/10/2014.

O ciclo do carbono é conhecido principalmente pela troca constante de CO2 entre florestas, solos, o oceano (reservatório de gás carbônico) e a atmosfera e pelo ciclo realizado pelas cadeias tróficas, na qual os vegetais (organismos autótrofos) absorvem CO2 da atmosfera, incorporam em sua biomassa e transferem para os níveis tróficos superiores (e.g. herbívoros, carnívoros, etc.; http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Ecologia/Cadeiaalimentar.php) formados por organismos heterótrofos. Por sua vez, todos os organismos respiram e lançam parte do CO2 de volta para a atmosfera. Porém, um componente muito importante do ciclo do carbono foi sistematicamente ignorado por muito tempo: os ambientes aquáticos continentais (rios, riachos, lagos, lagoas, estuários, reservatórios, etc. (http://www.infoescola.com/biologia/ciclo-do-carbono/). Estudos recentes demonstram que esses ambientes são responsáveis pelo lançamento de cerca de 70% do CO2 emitido de forma natural para a atmosfera, mesmo que representem apenas cerca de 20% da superfície dos continentes (Raymond et al. 2013).

Historicamente os ambientes aquáticos continentais eram apenas reconhecidos como “transportadores” de C do continente (por exemplo, a partir das florestas, solos, cidades, etc.) para o oceano. Entretanto sabe-se que durante este percurso há uma série de processos complexos de transformações e perdas (armazenamento no sedimento, mineralização e troca de C com a atmosfera, etc.) os quais podem sedimentar carbono (estoca-lo na lama no fundo dos ambientes), mas sobretudo emitir grandes quantidades de CO2 e gás metano (CH4). Esses processos estão exemplificados na figura 2.

Figura 2 Texto Arthur, e cia 3

Figura 2: Transformações do carbono em corpos d’água continentais. Setas cheias indicam transformações do carbono e setas tracejadas indicam fluxo na cadeia trófica. A seta vermelha indica o fluxo de água e materiais para jusante do ambiente (sejam rios ou lagos de inundação). Figura adaptada de Esteves et al. 2011.

Estudos recentes mostram que apenas cerca de 30% de todo carbono que chega nos ecossistemas aquáticos continentais chegam aos oceanos. Quase 50% desse carbono é emitido para a atmosfera pelos processos de degradação e os 20% restantes são estocados nos sedimentos. Desse último, parte pode ser novamente emitido para a atmosfera, principalmente na forma de CH4 a partir de sedimentos inorgânicos. Os valores absolutos em Pg (equivalente a 10E5g) de carbono estão representados na figura 3.

Figura 3 texto 1

Figura 3: Papel dos ecossistemas aquáticos continentais no fluxo e transformação de carbono provenientes dos ecossistemas terrestres para a atmosfera e oceanos. Figura adapatada de Tranvik et al 2009 e atualizada com dados de Raymond et al 2013. Valores em Pg (equivalente a 10E5g).

Mesmo diante de tamanha importância para o ciclo global do carbono, notamos que os ecossistemas aquáticos continentais são ignorados ou sub-representados nas figuras dos livros texto de Ecologia, como Odum (2004, p. 150) e Ricklefs (2010, p. 433). Diante da grande importância das contribuições das águas continentais para o ciclo do carbono, fica evidente uma necessidade de revisão e atualização dessas imagens, uma vez que representações visuais tem papel relevante para a aprendizagem.

E se não houvessem os ecossistemas aquáticos continentais? Como seria o ciclo global do carbono? Essas perguntas ficam para o próximo post.

Nota: Esse texto foi produzido a partir de leituras e discussões realizadas durante o curso de Limnologia do Programa de Pós-Graduação em Ecologia da UFRN, em outubro de 2014. Nas próximas semanas serão publicados em sequência os demais textos produzidos.

Autores:

Rafael de Carvalho (Mestrando; PPG Ecologia e Evolução – UFS)

Luana Rezende (Mestranda; PPG Ecologia e Evolução – UFS

Arthur Cruz (Mestrando; PPG Ecologia e Evolução – UFS)

Colaborações:

Pedro Junger (Mestrando; PPG Ecologia – UFRJ)

Barbara Precila Bezerra (Mestranda; PPG Ecologia – UFRN)

Dhalton Ventura (Doutorando; PPG Ecologia – UFRN – Especialista em Recursos Hídricos; Agência Nacional de Águas)

André M. Amado (UFRN/PPG Ecologia – DOL)

Supervisão:

André M. Amado (UFRN/PPG Ecologia – DOL)

Referências:

http://www.infoescola.com/biologia/ciclo-do-carbono/

http://camada-de-ozonio.info/

http://aquecimento-global-no-brasil.info/

http://aquecimento-global-no-brasil.info/consequencias-do-aquecimento-global.html

http://agfdag.wordpress.com/2009/03/10/quanto-co2-ha/

Cole, J. J., Prairie, Y. T., Caraco, N. F., McDowell, W. H., Tranvik, L. J., Striegl, R. G., Melack, J. (2007). Plumbing the global carbon cycle: Integrating inland waters into the terrestrial carbon budget. Ecosystems, 10(1), 171-184.

Marotta, H., Duarte, C. M., Sobek, S., Enrich-Prast, A. (2009). Large CO2 disequilibria in tropical lakes. Global Biogeochemical Cycles, 23.

Pacheco, F. S.; Roland, F. Downing, J. A. (2014). Eutrophication reverses whole-lake carbon budgets. Inland Waters, 4, 41-48.

Odum, E. P. Princípios e conceitos relacionados aos ciclos biogeoquímicos: estudos quantitativos dos ciclos biogeoquímicos. In: _____ Fundamentos da Ecologia. 6. ed. Lisboa, Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

Ricklefs, R. E. Caminho dos elementos nos ecossistemas. In: _____ A economia da natureza. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 544, 2010.

Tranvik, L., Downing, J. A., Cotner, J. B., Loiselle, S. A., Striegl, R. G., Ballatore, T. J., Weyhenmeyer, G. A. (2009). Lakes and reservoirs as regulators of carbon cycling and climate. Limnology and Oceanography, 54(6, part 2), 2298-2314.

Mudanças climáticas: verdade ou mito?

3 de novembro de 2014 by

Todos percebem que tem algo fora do comum acontecendo? Anos sem chuva, calor e frio fora de época, calmarias e ventanias inesperadas. A seca no nordeste não é novidade, mas em São Paulo (sobre a seca leia aqui)? A meteorologia estaria mais confusa do que nunca? Serão as famosas Mudanças Climáticas? Sobre esse tema, existem duas linhas de pensamento que estão em constante debate.

A primeira linha de pensamento, que é a mais popular, defende que as atividades humanas têm favorecido o lançamento de gases estufa na atmosfera, juntamente com o desmatamento, desencadeando mudanças drásticas no clima do Planeta. Fiz algumas considerações a esse respeito (efeito estufa e mudanças climáticas) no post “Fotodegradação no topo do Mundo”. Essa linha se baseia em dados que mostram o acúmulo de gás carbônico (dióxido de carbono – CO2) na atmosfera ao longo do último século. O estudo do gás carbônico atmosférico que foi apreendido no gelo dos polos durante séculos e milênios, em comparação com os níveis atmosféricos atuais (isso mesmo, o gelo é uma linha do tempo na história do Planeta, veja mais aqui), também indicam que o dióxido de carbono na atmosfera encontra-se em níveis acima do esperado. Por fim, modelos matemáticos demonstram que o aumento do dióxido de carbono na atmosfera decorre das nossas ativas transformações na biosfera (Dow & Downing 2007). Dentre elas, a queima de combustíveis fósseis com a emissão de gases estufa e, o grande desmatamento de ecossistemas naturais, reduzindo a retenção de carbono nas plantas (na biomassa). Tem um excelente texto sobre esse assunto no site da Wikipedia.

A segunda linha de pensamento é mais cética em relação aos eventos climáticos extremos. Segundo esse grupo de pesquisadores, o Planeta já passou por momentos com concentrações de dióxido de carbono mais elevadas que agora e, por motivos naturais, já que ainda não estávamos por ai. Realmente, o Planeta já teve 20 vezes mais dióxido de carbono na atmosfera do que atualmente, há cerca de 500 milhões de anos. Esse gás teria sido reduzido na atmosfera ao longo desse tempo devido ao surgimento das vegetações e respectivo acúmulo de carbono no solo (argilas), nas próprias florestas e a formação dos depósitos de carvão (Ricklefs 2010). Esse grupo destaca que o Sol, fonte primária de energia ao Planeta, apresenta fases de maior emissão de radiação, que estaria ocorrendo nesse momento. Ainda, defendem que eventos sísmicos que emitem ondas de calor a cada 600 mil anos, estariam em andamento. Vários outros argumentos contra o aquecimento global são reportados e discutidos na literatura e na internet. Veja alguns dos principais aqui.

Global warm - blog Anizio

Eu tenho estudado o ciclo do elemento carbono em ecossistemas aquáticos há mais de 12 anos. Particularmente, acredito na capacidade dos seres vivos interagirem e alterarem o meio em que vivem; a Ecologia trata exatamente disso. Portanto, acredito que os padrões climáticos imprevisíveis que estamos experimentando sejam decorrentes (ao menos em parte) de atividades humanas. Mesmo que não fossem diretamente, é digno pensarmos que dividimos o Planeta com outros seres vivos e, por isso, temos grande responsabilidade sobre ele. Se a emissão de gás carbônico tem potencial para afetar negativamente a dinâmica climática, mesmo que isso possa se tornar irrelevante diante de eventos naturais não controláveis, como o aumento da energia emitida pelo Sol, por que iriamos negligenciar a regulação dessa atividade de emissão? Por que negligenciar que as florestas têm potencial de regulação climática, seja na escala regional, além da biota que abriga, mesmo que não afetasse o clima global? Seria irresponsabilidade diante de tanto conhecimento que já foi gerado a esse respeito.

Esse texto foi motivado por reflexões e discussões ocorridas durante o curso de Limnologia do Programa de Pós-graduação em Ecologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no mês de outubro de 2014. Ainda em decorrência dessas discussões, nas próximas semanas serão publicados textos produzidos por colaboração entre os alunos e os professores da disciplina. Aguardem, confiram e comentem!

Referencia:

Dow & Downing (2007) O Atlas da Mudança Climática: O Mapeamento Completo do Maior Desafio do Planeta. Ed. Publifolha.

Mais Links Interessantes:

https://sites.google.com/site/thepaleoceneeocenethermalmaxim/2-paleocene-climate/why-earth-s-climate-is-different-today-1/ice-ages-and-the-role-of-co2

http://en.wikipedia.org/wiki/Carbon_dioxide_in_Earth’s_atmosphere

Autor: André M. Amado (Depto. Oceanografia e Limnologia; PPG Ecologia – UFRN)

Ilustração: Anizio Souza Andrade (Graduando em Ecologia – UFRN)

Revisão de Língua Portuguesa: Bruna Q. Vargas (Cultura Inglesa, Natal-RN)

Foto-degradação no topo do mundo!

31 de agosto de 2014 by

Após algumas décadas, os estudos sobre a foto-degradação do carbono orgânico dissolvido (processo de degradação de compostos orgânicos pela ação física da radiação solar) em ambientes aquáticos volta, literalmente, ao topo do mundo.

Na década de 80 chamou-se a atenção para a redução das concentrações de ozônio (O3) na estratosfera. A Camada de Ozônio filtra parte dos raios ultravioleta B (UV-B; 280-320 nm) provenientes do Sol, reduzindo a sua incidência sobre a superfície do Planta Terra. Por isso, a redução da camada de ozônio (resultante da liberação de gases utilizados nos sistemas modernos de refrigeração) teria profundos efeitos danosos à saúde das pessoas, pelo aumento da incidência de problemas como câncer de pele. Iniciou-se assim, uma corrida mundial para reverter esse quadro.

Ao mesmo tempo, como os raios ultravioletas também degradam parte do carbono orgânico dissolvido na água, principalmente aquele formado nos ambientes terrestres, o processo de fotodegradação ganhou destaque entre os cientistas. Pesquisas focaram no papel da fotodegradação para o funcionamento dos ecossistemas (por exemplo sobre o metabolismo microbiano), até seus possíveis efeitos para a emissão de dióxido de carbono (gás carbônico – CO2) para a atmosfera. Por exemplo, além de mineralizar o carbono orgânico formando dióxido de carbono (CO2), a foto-degradação também transforma o carbono alterando a velocidade com que as bactérias heterotróficas (microorganismos recicladores) podem mineralizá-lo (Farjalla et al. 2009).

co2_data_mlo

Gráfico de acúmulo de CO2 na atmosfera (Mauna Loa Observatory (http://www.esrl.noaa.gov/gmd/ccgg/trends/).

Trabalhos recentes demonstraram que os ambientes aquáticos são importantes elementos no ciclo global do carbono, pois transformam, emitem para a atmosfera e transportam para os oceanos muitas toneladas de carbono por ano (Cole et al 2007, Tranvik et al, 2009, Raymond et al 2013). Nesse sentido, diversos estudos avaliaram a importância relativa da fotodegradação e da respiração bacteriana (dois importantes processos de decomposição em ecossistemas aquáticos) para a emissão de CO2 para atmosfera, como contribuintes na intensificação do efeito estufa.

Desenho esquemático: Radiação solar reflete na Terra e emite radiação infravermelha que aquece a atmosfera.

Desenho esquemático: Radiação solar reflete na Terra e emite radiação infravermelha que aquece a atmosfera.

Estudos sugeriram que na da região temperada do Globo (latitudes superiores a 22° N e S), o processo de fotodegradação era pouco relevante (< 10%) para a produção total de CO2 por lagos em comparação com a mineralização pelas bactérias (Jonsson et al 2001). Juntamente com a estabilização da camada de ozônio, a suposta pouca relevância da fotodegradação ajudou a diminuir o interesse no tema. Alguns anos mais tarde, um dos trabalhos da minha dissertação de mestrado (Amado et al 2006) indicou que a fotodegradação poderia ser equivalente à mineralização bacteriana em lagos tropicais da região amazônica. Mesmo assim, desde então, poucos estudos avaliaram a interação da fotodegradação com as emissões de CO2.

Na semana passada (22 de agosto de 2014), a pesquisadora Rose Cory (da Universidade de Michigan) e seus colaboradores publicaram um artigo (Cory et al. 2014) na revista Science, de um estudo de mais de 3 anos de duração sobre a fotodegradação e a degradação bacteriana em diversos ambientes aquáticos no Alaska (ártico). De acordo com esse estudo, nos ambientes aquáticos daquela região de elevadas latitudes, a fotodegradação pode corresponder entre 70 e 95% de todo CO2 produzido nesses ecossistemas, sendo até dezenas de vezes superior à mineralização pelas bactérias. Ao contrariar os paradigmas atuais, esse estudo reabre a discussão sobre o tema. Tendo em vista que o aumento global das temperaturas previsto para as regiões polares deve expor grandes quantidades de matéria orgânica pelo degelo, a fotodegradação deverá ser responsável por emitir grandes quantidades de CO2 para a atmosfera, contribuindo ainda mais para o agravamento do efeito estufa.

Referências:

Amado, A. M., Farjalla, V. F., Esteves, F. D., Bozelli, R. L., Roland, F., & Enrich-Prast, A. (2006). Complementary pathways of dissolved organic carbon removal pathways in clear-water Amazonian ecosystems: photochemical degradation and bacterial uptake. FEMS Microbiology Ecology, 56(1), 8-17.

Cole, J. J., Prairie, Y. T., Caraco, N. F., McDowell, W. H., Tranvik, L. J., Striegl, R. G., . . . Melack, J. (2007). Plumbing the global carbon cycle: Integrating inland waters into the terrestrial carbon budget. Ecosystems, 10(1), 171-184.

Cory, R. M., Ward, C. P., Crump, B. C., & Kling, G. W. (2014). Sunlight controls water column processing of carbon in arctic fresh waters. Science, 345(6199), 925-928. doi: 10.1126/science.1253119

Jonsson, A., Meili, M., Bergstrom, A. K., & Jansson, M. (2001). Whole-lake mineralization of allochthonous and autochthonous organic carbon in a large humic lake (Ortrasket, N. Sweden). Limnology and Oceanography, 46(7), 1691-1700.

 

Raymond, P. A., Hartmann, J., Lauerwald, R., Sobek, S., McDonald, C., Hoover, M., . . . Guth, P. (2013). Global carbon dioxide emissions from inland waters. Nature, 503, 355-359. doi: 10.1038/nature12760

Tranvik, L., Downing, J. A., Cotner, J. B., Loiselle, S. A., Striegl, R. G., Ballatore, T. J., . . . Weyhenmeyer, G. A. (2009). Lakes and reservoirs as regulators of carbon cycling and climate. Limnology and Oceanography, 54(6, part 2), 2298-2314.

 

Autor: André M. Amado (Depto. Oceanografia e Limnologia; PPG Ecologia – UFRN)

Revisão de Língua Portuguesa: Bruna Q. Vargas (Cultura Inglesa, Natal-RN)

 

Comemoração: 20 anos de NUPEM-UFRJ, produzindo conhecimentos e multiplicando pesquisadores

7 de junho de 2014 by

Hoje, dia 06 de junho de 2014, é dia de festa para a Ecologia brasileira! Comemoramos os 20 anos de criação do Núcleo de Pesquisas Ecológicas de Macaé (NUPEM-UFRJ), Rio de Janeiro, atualmente denominado Núcleo de Desenvolvimento Sócio Ambiental de Macaé. O que começou como base de pesquisas de campo em Ecologia pelo esforço do Professor Francisco Esteves (idealizador e principal responsável pelo sucesso do NUPEM-UFRJ, ainda a frente da Instituição) e de seus alunos na década de 90, hoje se trata de um campus avançado da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que conta com cursos de graduação e pós-graduação na área ambiental.

Em 387 a.C. o filósofo grego Platão (428-348 a.C.) fundou a Academia, instituição de ensino e aprendizado voltada ao desenvolvimento do saber através da dialética, aprendizado pela discussão e solução de problemas. A Academia resultou na formação de filósofos, como Aristóteles, o mais famoso, que deram continuidade a esse processo de desenvolvimento do saber. Na mesma época, Isócrates (436-338 a.C.) desenvolveu o ensino baseado na retórica, algo mais semelhante ao ensino atual, desenvolvido por meio de palestras de um mestre para seus aprendizes.

O NUPEM, desde a sua criação, vem desempenhando os dois papeis da Academia. Em especial, como na Academia de Platão, além de desenvolver conhecimento em Ecologia em Meio Ambiente, já formou (e ainda forma) dezenas de discípulos, que atuam na produção e disseminação do conhecimento, e que se espalham pelos quatro cantos do Brasil, iniciando novos núcleos.

Na UFRN são ao menos 5 docentes que tiveram parte ou boa parte da sua formação no NUPEM-UFRJ. Cada um ao seu tempo, todos ajudaram a “carregar tijolos” na construção do NUPEM-UFRJ, o que funcionou como escola para que possam hoje formar novos profissionais em outros locais do Brasil.

Passei pelo NUPEM-UFRJ entre 1999 e 2008. Frequentei o NUPEM desde o antigo laboratório e alojamentos localizados atrás dos estábulos do Parque de Exposições de Macaé-RJ, até a inauguração do primeiro prédio das atuais instalações. Eu não participei dos acampamentos! Amigos e colegas que passaram por lá, deixem aqui comentários com suas histórias e causos”

Desejos muitas outras décadas ao NUPEM-UFRJ, pela educação e ciência brasileira!

 

André M. Amado (Depto. Oceanografia e Limnologia; PPG Ecologia – UFRN)

Revisão de Língua Portuguesa: Bruna Q. Vargas (Cultura Inglesa, Natal-RN)

 

 

 

 

 

A escrita e a ciência.

12 de maio de 2014 by

No post anterior (O que faz uma defesa de tese ser chata ou instigaste? Reflexões), publicado no dia 08 de abril de 2014, falei sobre a defesa de tese (mestrado e doutorado) como sendo o auge da formação de um mestre ou doutor. Formalmente é isso mesmo! Entretanto, o que coroa de fato o cientista é quando seu trabalho é publicado em revista ou jornal científico e passa a fazer parte então, do quebra-cabeça do conhecimento. Uma tese defendida, mas sem publicações, não passa de um livro que dá orgulho, mas que vai ficar empoeirado na nossa estante (ou no HD como PDF). Um trabalho publicado, é passível de ser utilizado para a construção de novos conhecimentos científicos.

 O quebra-cabeça do conhecimento.

 

Falando de científico, quem nunca assistiu a algum anúncio de televisão de pasta de dente ou de sabonete dizendo que é cientificamente comprovado que aquele produto elimina 99% das cáries ou das bactérias? Nesse caso, o “científico” é utilizado como um selo de garantia de que o produto é realmente bom, apesar de não querer necessariamente significar isso. O 99% é uma forma de mostrar que a eficiência é alta, já que é “científico”, o que na realidade é um nível de significância de um teste estatístico. O verdadeiro significado de “científico” passa pela utilização de um conjunto de regras (metodologia científica) para se estudar algum fenômeno.

Cientificamente comprovado!

 

Ruben Alves, escritor, filósofo, teólogo (dentre inúmeras outras qualificações) exemplificou a ciência como uma rede que pesca um grupo específico de peixes. Outras redes, como da Teologia por exemplo, pega outros tipos (ou as vezes os mesmos tipos) de peixes. De fato, a coleta de dados de um trabalho científico (ecologia aquática por exemplo, mesmo que não seja com peixes) é trabalhosa como uma pescaria. Tanto que os alunos (normalmente de graduação ou mestrado) costumam dizer depois de mais de um ano: “Já coletei todos os dados. Agora só falta analisar e escrever!”. Doce ilusão! Agora que vem o trabalho mais difícil: revelar um novo conhecimento.

Apesar da poesia com a qual Rubem Alves descreveu a ciência, a escrita científica é comumente árida, pois não pode ser ambígua. Entretanto, normalmente tem a identidade de quem escreve. A escrita científica deve ser objetiva, precisa e, preferencialmente, em inglês. Isso evita o efeito de má interpretação e “telefone sem fio”, para a produção de conhecimentos mais sólidos. Como normalmente espaço e tempo são dinheiro, tamanho é documento! Como disse o matemático Francês do século 17, Blaise Pascal: “Se tivesse mais tempo, escreveria uma carta mais curta”; ser objetivo e direto sem perder informação é difícil. Escrever bem, demora!

Atualmente, um trabalho científico após ser escrito, é submetido a avaliação de qualidade e originalidade por cientistas da áreas afins, para publicação em dois tipos básicos de jornais científicos: aqueles que vendem a informação e, por isso publicam de graça (mas cobram para quem quiser ler; revistas como “Science” e “Nature”) e, aqueles que cobram para publicar, mas a leitura é grátis (open access; como as revistas dos grupos da “Plos” e da “Frontiers”). Este último tipo tem é uma nova tendência, que considero muito interessante: informação disponível para quem tiver interesse. Ainda, em muitos dos casos, os escritores tomam conhecimento de quem são os revisores. Assim, as revisões são mais honestas e a discussão mais saudável. Quem ganha é a ciência.

Artigos de leitura grátis

 

Grande responsabilidade produzir conhecimentos, ainda mais porque a Sociedade credita credibilidade. Escrever de forma objetiva e com identidade, numa língua estrangeira, ter humildade para as críticas e ter conhecimento e maturidade para rebatê-las quando necessário é o auge do trabalho científico e o desafio a ser encarado. E ai alunos, vamos publicar?

 

André M. Amado (Depto. Oceanografia e Limnologia; PPG Ecologia – UFRN)

Revisão de Língua Portuguesa: Bruna Q. Vargas (Cultura Inglesa, Natal-RN)

O que faz uma defesa de tese ser chata ou instigante? Reflexões.

8 de abril de 2014 by

O processo de formação de mestres e doutores no Brasil culmina com a defesa do trabalho de pesquisa, chamado de dissertação quando é referente ao mestrado e de tese quando doutorado. Trata-se de um processo simples: o candidato apresenta publicamente seu trabalho sob a forma de uma palestra e, em seguida, uma banca, composta por pesquisadores da área que já tinham lido previamente o trabalho escrito, vai arguir o aspirante ao título. Essa arguição é, literalmente, a “defesa”, ou seja, o ainda aluno defende seus pontos de vista sobre o assunto estudado em resposta aos questionamentos feitos pelos membros da banca. Ao final do debate, a banca decide pela aprovação ou não do trabalho e pelo merecimento do título de mestre ou doutor.

Pelas dezenas de defesas de que já participei ou assisti, pude notar que a fase de arguição pode ser extremamente desinteressante e cansativa, resultando em comentários como: “Só passaram 5 minutos?” ou “Acho que vou tirar a cerveja do congelador porque isso vai demorar”. Pode também ser empolgante e muito produtiva, fazendo a plateia ter vontade de opinar ou perguntar também. Neste último caso, nem banca, nem aluno ou plateia reparam que já se passaram algumas horas desde o início. Quem nunca presenciou uma banca em que o arguidor cita páginas e linhas inúmeras vezes, perguntando se a vírgula está fazendo papel de aposto, ou se é apenas para quebrar uma longa frase (mesmo que seja um trabalho na área de Ecologia e não de Letras)? Ou um orientador que responde pelo aluno? Um aluno que entende errado e responde algo diferente, ou só concorda?

Algumas hipóteses para explicar uma banca chata podem ser levantadas: (a) a banca não entende do assunto; (b) o trabalho está mal escrito e a banca não consegue entender exatamente a mensagem; (C) o aluno não aprendeu a pensar mas apenas a reproduzir conceitos (problema gravíssimo para quem almeja ser cientista); (d) o orientador apenas precisa colocar no currículo Lattes que formou mestres ou doutores, mas foi ele quem fez tudo; dentre outras inúmeras explicações.

Uma defesa chata.
Uma defesa chata.

Agora, o que faz uma fase de arguição ser interessante, inclusive para o púbico? A negação das hipóteses acima não é, ao menos diretamente, a resposta da pergunta. Entretanto, uma combinação entre elas pode gerar o cenário ideal para boas discussões. A banca conhecer intimamente o assunto e as ferramentas utilizadas para desvendar a questão é essencial e isso é inquestionável. Por certo que um bom conhecedor do método científico, sem necessariamente ser da área, pode fazer excelentes contribuições, mas não substitui o especialista. A escrita objetiva e bem feita é um importante facilitador para a banca. A mensagem correta do trabalho pode ser avaliada, discutida, contestada ou confirmada. O aluno bem preparado conceitualmente e que efetivamente atuou em todas as fases da aquisição, análise de dados e discussão dos resultados (sendo profundo conhecedor destes) permite que haja diálogo, tornando os trabalhos mais dinâmicos e conclusivos. Mesmo com um aluno não tão maduro conceitualmente, mas com leitura, boa dose de boa vontade e humildade, as discussões podem ocorrer com fluidez e aprendizado.

A escolha de uma banca adequada é o início para uma boa discussão. Dedicação, leitura e conhecimento dos dados (leia-se um aluno que realmente conduziu todas as etapas da sua tese) pelo aluno também é a cereja do bolo. Desta forma, muita leitura dos alunos, sinceridade e cordialidade por parte da banca, pode deixar este momento altamente gratificante aos seus participantes.

Por fim, a defesa não é simplesmente mais uma etapa a ser cumprida, mas sim, a ferramenta para o programa de pós-graduação e a universidade aferirem sua qualidade e demonstrá-la para a comunidade científica. Portanto, é um evento crucial para o aluno que comprova sua nova habilidade, para o orientador e banca que concluem um trabalho de formação científica e profissional, mas também para o programa de pós-graduação, que lança ao mercado de trabalho um profissional com a sua “chancela” e diz ao público: “é esse o profissional que estamos formando”.


André M. Amado (Depto. Oceanografia e Limnologia; PPG Ecologia – UFRN)
Ilustração: Anízio Souza Andrade (UFRN – Graduando em Ecologia)
Colaborações: Luiz Bento (CECIERJ); Bruna Q. Vargas (Cultura Inglesa, Natal-RN); Ronaldo Angelini (UFRN)

Revisão de Língua Portuguesa: Bruna Q. Vargas (Cultura Inglesa, Natal-RN)


Links Interessantes:
http://pesquisatec.com/new-blog/2013/9/2/o-que-no-fazer-em-sua-defesa-de-dissertao-ou-tese
http://www.posgraduacao.ufrn.br/pge
http://scienceblogs.com.br/rnam/2009/11/defesas_de_tese_a_linha/
http://sitiodacris.blogspot.com.br/2014/02/tese-me-despedindo-ate-defesa.html

Link Curioso:
http://posgraduando.com/blog/humor/como-apimentar-sua-defesa-de-dissertacao-ou-tese

Website – Laboratorio de Limnologia – UFRN

8 de abril de 2014 by

www.limno.weebly.com

 

Laboratório de Limnologia – UFRN

22 de março de 2012 by

O objetivo desse blog é divulgar o laboratório Limnologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Interessados em enviar textos, propor enquetes, divulgar eventos, etc, favor enviar texto em arquivo doc para o endereço: blog.limnologia@gmail.com.

Aguardamos contribuições. Enquanto isso, estamos preparando os primeiros textos e atividades para esse site.

Atenciosamente,

Blog Limnologia.

http://www.limnologia.wordpress.com

Visite também o site: limno.weebly.com